quarta-feira, 21 de setembro de 2011

O Poder nas pessoas


Eis o ditado: “Se quiser conhecer realmente uma pessoa, dê-lhe poder.”

Sempre acreditei que o poder revela como são as pessoas, e no que realmente podem se transformar... A mudança repentina, ou prolongada através do que chamamos de ganância, muda completamente o modo de como a pessoa pode ser vista, ou de como ela mesmo se classifica perante a classe “humilde” da sociedade.

Situações como um funcionário promovido a gerente, uma herança concedida, um status pela política, ou até mesmo esses medíocres reality shows, na qual pessoas com o mínimo de cultura fascinam o público, são exemplos de indivíduos que seguirão os mesmos passos do poder, mentindo e até mesmo encobrindo a origem de sua família à sociedade.

A inconsciência ou “cegueira” por assim dizer, desta transformação que o dinheiro e o poder proporcionam a atitude e caráter, proporcionam a idéia de que, uma vez tendo a possibilidade de estar acima dos demais, a pessoa pode mostrar-se grandiosa ou medíocre, ou seja, aqueles que respeitam os menores e desafiam os mais poderosos, ou os que apenas pisam em pessoas que lhes dedicaram uma grande parcela das suas vidas, ultrapassando todas as condutas social e moralmente aceitáveis sem qualquer pudor, para atingir seus objetivos.

Dizem-se às vezes profissionais, pobreza essa, de pensamento e de caráter, sendo apenas mais uma defesa contra a sua maldade inata, uma justificativa para que tudo ocorra como planejado.

Até mesmo Alexandre, O Grande, demonstrou em seus últimos desejos o quanto é importante valorizar cada momento, pois as riquezas e bens materiais não serão levados desta vida, e sim nossa alma e o que fizemos para sermos lembrados...

Resta-nos, portanto, optar por aceitar essa fácil e larga estrada da submissão passiva, da incompetência maldosa que se apropria das idéias e talentos alheios ou o difícil e estreito corredor formado pelo inconformismo, que de certo modo perturbará aqueles que a cada noite deitam a cabeça no travesseiro, com a tranquila sensação de “missão cumprida”.

By Will

“Cada dia sabemos mais e entendemos menos”

3 comentários:

  1. Querido Will

    Muito boa sua análise sobre o poder concedido as pessoas...

    * Também Acredito que o poder apenas revela quem a pessoa realmente é por dentro.* Então, Quando você quiser conhecer uma pessoa, dê o poder a ela...

    E lembrando, tem uma frase de Alexandre o Grande que você resumiu em belas palavras que diz: "Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partiremos".

    Se as pessoas tivessem esse pensamento, talvez não seriam tão egoístas e mesquinhas frente a vida.

    beijos
    Beka "*_*"

    ResponderExcluir
  2. Boas!

    Devo dizer que gosto imenso deste blogue!

    Podem adicionar os meus aos vossos links? Eu prometo que retribuo :p

    http://davidjosepereira.blogspot.com/

    Saudosos cumprimentos!

    ResponderExcluir
  3. "Se esta coisa de excesso de poder realmente existe, eu realmente ainda não a conheci"

    _Dark Ritual

    ResponderExcluir